Saiba como foi os gastos com leite condensado do governo Bolsonaro

Veja

6/recent/ticker-posts

Saiba como foi os gastos com leite condensado do governo Bolsonaro



É papel da imprensa não só colher e divulgar dados de relevância pública, mas contextualizá-los. Por isso, você vai conferir uma completa explicação sobre o carrinho de compras do governo federal



Uma reportagem do portal Metrópoles publicada no último domingo (24) sobre os gastos dos órgãos federais com comida repercutiu em toda a imprensa e nas redes sociais. Em 2020, o carrinho de compras do governo ultrapassou R$ 1,8 bilhão, um aumento de 20% em relação a 2019.


Dois produtos em especial chamaram a atenção do público: o leite condensado e a goma de mascar. No total, o governo pagou R$ 15,6 milhões para comprar o doce e outros R$ 2,2 milhões para chiclete.


Apesar de o presidente Jair Bolsonaro já ter demonstrado gostar de comer leite condensado com pão, as compras não têm nada a ver com isso. À primeira vista, elas parecem estranhas, mas existe uma explicação.


Por isso, é papel da imprensa não só colher e divulgar dados de relevância pública, mas também — e principalmente — contextualizá-los.


1. O que justifica o aumento de gastos em relação a 2019? 


Em primeiro lugar, é necessário explicar que esses gastos não são do cartão corporativo de Bolsonaro, mas das demandas de todos os órgãos federais durante o ano. Os alimentos não são simplesmente para abastecer as despensas dos ministérios — as sedes em Brasília não recebem quase nada.


A maior parte vai para os órgãos subordinados, incluindo institutos federais de educação e hospitais ligados a universidades. Os valores também incluem algumas compras feitas por municípios e estados para órgãos federais locais.


É importante destacar que os maiores compradores são o Ministério da Defesa e o Ministério da Educação. O primeiro não parou as atividades com a pandemia, pelo contrário: o número de missões aumentou em algumas localidades. Já o MEC é responsável por uma rede de hospitais universitários, que foram usados em muitos estados para desafogar o SUS durante a crise de 2020.

Postar um comentário

0 Comentários