Emigração da Venezuela pode superar a da Síria em 2022



Um relatório divulgado pela Organização dos Estados Americanos (OEA) nesta quinta-feira, 29, advertiu que a emigração de venezuelanos pode chegar à marca de sete milhões de pessoas até o fim de 2021 ou o início de 2022. A marca superaria o êxodo da Síria, considerado o maior do mundo, com 6,7 milhões de refugiados que saíram do país por causa da guerra.

 “Se não houver uma solução política, econômica e social no curto prazo, a estimativa é que poderá haver mais refugiados venezuelanos do que sírios”, 

afirma trecho do documento, que apontou que, mesmo com as restrições de mobilidade impostas pela pandemia da Covid-19, o número de migrantes e refugiados não apresentou decréscimo no país sul-americano. Antes da pandemia, segundo os dados da OEA, cinco mil venezuelanos fugiam diariamente do país. 

No começo da crise sanitária, o impacto da Covid-19 teria motivado mais de 150 mil a retornarem aos locais de origem, mas a partir de setembro de 2020 e até hoje cerca de 700 a 900 venezuelanos trilham, diariamente, caminhos para fora do país. “No final de 2021 ou no início de 2022, o número de refugiados venezuelanos poderá atingir os sete milhões”, observa o documento. 

Os pesquisadores listaram cinco razões principais para o êxodo venezuelano: emergência humanitária complexa, violações dos direitos humanos, violência generalizada, colapso dos serviços públicos e colapso econômico.

Postar um comentário

0 Comentários