Pacheco se reúne com Fux nesta quarta para rejeitar chance de impeachment de ministros



 Depois de descartar a possibilidade de dar prosseguimento ao pedido de investigação contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que deverá ser apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, tem encontro nesta quarta-feira, 18, com o presidente do STF, o ministro Luiz Fux. Nesta terça-feira, o senador ressaltou que o diálogo é fundamental para a democracia e que não é o momento de se discutir impeachment, seja do presidente Jair Bolsonaro, seja de ministros. “O diálogo precisa estar presente sempre entre os chefes de poderes, entre as instituições, para que possamos ter um minuto de paz no Brasil, um momento de paz no Brasil por conta de tudo que sofremos nesse biênio em função da pandemia. É um momento que precisamos ter união.”

Pacheco admitiu que o encontro tem como objetivo melhorar o diálogo do Senado com o Supremo. Para ele, será um momento de reflexão sobre o momento atual e a crise que se intensifica. “Uma reflexão sobre o papel de cada poder em uma crise que se apresenta. Então, o Supremo tem a parcela de contribuição dele, o Congresso, o presidente da República igualmente. O importante é nós apararmos as arestas, encontrarmos um caminho comum e, enfim, pacificarmos a sociedade brasileira”, afirmou. Além de Pacheco, Luiz Fux também deve se encontrar hoje com o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira.

Na Câmara dos Deputados, o presidente Arthur Lira também defende a necessidade de se manter a serenidade e evitar polêmicas desnecessárias. “É tempo de autocontenção de todos, dentre todos os poderes, o que tem feito e permanecido realmente atento a essas regras é o Legislativo. Estamos trabalhando o tempo todo para que isso aconteça realmente”, pontua. Com relação à resistência do Senado em aprovar alguns projetos que saíram da Casa, o deputado ressaltou que não cabe à ele ou aos outros parlamentares propõem procedimentos. Segundo ele, o objetivo nesse momento é chegar a um mínimo de normalidade.

Postar um comentário

0 Comentários