Veja

6/recent/ticker-posts

Caos na Saúde em Goiânia e Aparecida

 



Pacientes e acompanhantes que foram a algumas unidades de saúde públicas de Goiânia e Aparecida de Goiânia, na segunda-feira (27), relataram horas de espera para conseguirem ser atendidos e demonstraram desespero diante da situação. Alguns relataram que ficaram até oito horas aguardando.

As secretarias municipais de saúde das duas cidades reconheceram que houve aumento da demanda de atendimentos: muitas pessoas principalmente com sintomas de gripe, dengue ou Covid-19.Na capital, a pasta disse que as escalas estão completas, mas que lida com troca de funcionários. 

Já Aparecida anunciou que vai abrir as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) para atendimentos sem agendamento (por livre demanda) - leia posicionamentos completos ao fim da reportagem.

Veja a Nota do Prefeito de Aparecida de Goiânia

Superintendente da Secretaria Municipal de Saúde da cidade, Gustavo Assunção reconheceu que o tempo de espera por atendimento nas unidades é de cinco a oito horas.

Leia nota da Prefeitura de Goiânia na íntegra: 


 A Secretaria de Saúde de Goiânia reconhece o transtorno enfrentado pela população que tem buscado atendimento de urgência na capital. 

 É um momento desafiador para as equipes da saúde também. Além da grande demanda, principalmente por pacientes com dengue e gripe, desde a semana passada há um enorme esforço para repor os trabalhadores que estão tendo seus contratos temporarios encerrados e que, por lei, não podem ser prorrogados. 


 As escalas médicas estão completas, mas dezenas de outros profissionais estão sendo substituídos, o que tem interferido também no tempo de atendimento. A expectativa é de que nos próximos dias tudo volte à normalidade. Para dar celeridade ao atendimento, a secretaria está remanejando trabalhadores de outras áreas para reforçar as equipes nas unidades de urgência. 

Para desafogar um pouco as UPAs, Cais e Ciams, a secretaria solicita também que a população busque atendimento nas Unidades Básicas de Saúde e que somente os casos mais graves procurem as unidades de urgência.

Postar um comentário

0 Comentários