STF Interfere na segurança publica do Rio de Janeiro

 

Supremo decidiu ainda que operações no estado terão que ser feitas durante o dia 



O julgamento é motivado por um recurso apresentado pelo PSB e entidades de direitos humanos depois que o relator da ação, ministro Edson Fachin, suspendeu, em 2020, a realização de operações nas comunidades, exceto em casos excepcionais.

Sobre a determinação de um prazo para que o estado instale GPS e sistemas de gravação em viaturas e nas fardas dos agentes, os ministros entenderam que isso já vem sendo feito. Por isso, a aquisição dos equipamentos será fiscalizada.

 O STF negou suspender o sigilo de todos os protocolos de operações indiscriminadamente e que diligências não possam ser fundamentadas em denúncias anônimas.

Postar um comentário

0 Comentários