Após o deputado estadual e pré-candidato ao governo de São Paulo, Arthur do Val (Podemos-SP), conhecido pelo apelido de “Mamãe Falei”, ter áudios divulgados em que chama as mulheres e refugiadas da Ucrânia de “fáceis porque “são pobres”, o cenário político repercutiu o ocorrido e muitas figuras conhecidas se posicionaram publicamente. Sergio Moro (Podemos), ex-juiz e pré-candidato à presidência da República, que havia selado uma parceria com o MBL e declarado que Arthur seria sua opção de voto para o comando do Palácio dos Bandeirantes, afirmou nesta sexta-feira, 04, que lamenta e repudia as falas do parlamentar.

 O presidenciável afirma, ainda, que as declarações são “incompatíveis com qualquer homem público” e afirma que tal posicionamento pode configurar crime. Moro também exigiu um posicionamento do partido político, que dividem, e anuncia que jamais compartilhará seu palanque ou apoiará pessoas “que têm esse tipo de opinião e comportamento.”


Renata Abreu, deputada federal e presidente do Podemos, sigla que abriga Moro e Arthur, emitiu uma nota em que classifica as afirmações de ‘Mamãe Falei’ como “gravíssimas e inaceitáveis”. A política ressalta que as falas “não se resumem ao completo desrespeito à mulher, seja ucraniana ou de qualquer outro País, mas de violações profundas relacionadas a questões humanitárias, em um momento em que esse povo enfrenta os horrores da guerra”. A parlamentar reiterou que o Podemos “repudia com veemência as declarações” e que um procedimento disciplinar interno será aberto para que a apuração dos fatos seja concluída. Abreu afirma, ainda, que não conseguiu realizar contato com Arthur, pois o mesmo encontra-se em voo.

A deputada federal Joice Hasselmann (PSDB-SP) utilizou as suas redes sociais para repudiar as declarações de Arthur sobre as mulheres ucranianas. Segundo a parlamentar, são palavras asquerosas, preconceituosas sexistas” e considera que uma pessoa pública não pode ser “tão cruel” e se manifestar desta maneira “ainda diante de um cenário de guerra”. Por fim, a congressista afirma que o membro do MBL (Movimento Brasil Livre) “se comporta como moleque tardio” e cobra que o mesmo seja tratado com “a severidade que merece – por seu partido e por seus eleitores”.

Tabata Amaral (PSB-SP), deputada federal, reiterou que as falas de Arthur são “nojentas” e que “a misoginia e o machismo prevalecem até mesmo nos momentos de maior sofrimento.” Segundo a parlamentar, a “objetificação das mulheres é ainda mais revoltante” já que as envolvidas enfrentam uma situação de guerra. “É dever de todos, sobretudo líderes políticos, prezar pelo respeito.”

Gil Diniz (PL-SP), deputado estadual e companheiro de Arthur na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), afirmou em vídeo publicado em suas redes sociais que o membro do MBL é um “irresponsável, moleque, canalha, mentiroso, falso” e que entrará com um pedido de cassação de mandato contra ‘Mamãe Falei’.

Outro companheiro de ‘Mamãe Falei’ na Alesp, o deputado Coronel Telhada reproduziu parte das falas de Arthur nas suas redes sociais e afirmou que a opinião do parlamentar é “covarde, preconceituoso, machista e imoral”, além de revelar os reais objetivos da ida a Ucrânia.

Isa Penna (PSOL-SP), que também divide a Assembleia Legislativa de São Paulo com Arthur, afirmou em vídeo que o deputado a ligou para saber o quão ‘encrencado’ estava diante da confusão. Ainda assim, a parlamentar afirmou que ele está “muito ferrado” e que entrará com uma representação jurídica contra o deputado.