Desemprego cai em Goiânia, e chega ao menor patamar para o período desde 2017



 A taxa de desocupação em Goiânia foi de 6,9% no segundo trimestre de 2022, de acordo com a nova rodada da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), produzida e divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse é o menor índice para o período desde 2017, quando a taxa de desemprego na capital foi de 6,8%, entre os meses de abril e junho.

Em razão da pandemia, a pesquisa não colheu dados no segundo trimestre de 2021 e de 2020. No segundo semestre de 2019, o desemprego em Goiânia foi de 7,7%. Em 2018, foi de 7%. Em 2017, de 6,8%. Em 2016, de 7,8%. Em 2015, de 4,9%. Em 2014, de 3,3%. Em 2013, de 4,1%. E em 2012, de 4,6%.

O estudo também mostra que o número de trabalhadores empregados em Goiânia chegou a 821 mil, novo recorde da série histórica da PNAD na capital. Anteriormente, a maior quantidade de trabalhadores ocupados havia sido registrada três anos atrás: 790 mil. O IBGE também constatou que 444 mil pessoas com 14 anos ou mais estão fora da força de trabalho, ou seja: nem ocupados, nem à procura de emprego (um indicativo de que estão na informalidade).

Comparação com outras capitais
O IBGE também apresentou dados relacionados ao desemprego nas outras capitais do Brasil. No ranking nacional, Goiânia ficou com a sexta menor taxa de desocupação no segundo trimestre de 2022.

Apresentaram índices menores Cuiabá (5,3%), Palmas (5,9%), Boa Vista (6%), Campo Grande (6,1%) e Florianópolis (6,4%). O desemprego ficou maior em outras 21 capitais: Curitiba (7,3%), Porto Alegre (7,3%), São Paulo (8,6%), Teresina (8,8%), Vitória (9,2%), Belo Horizonte (9,5%), Natal (9,5%), Macapá (9,6%), Rio de Janeiro (9,8%), Fortaleza (10,1%), Porto Velho (10,2%), Belém (11,2%), Brasília (11,5%), Maceió (12%), Manaus (12,2%), São Luís (12,4%), João Pessoa (13,2%), Aracaju (13,2%), Recife (14%), Rio Branco (15,2%), e Salvador (16,7%).

Via prefeitura de Goiânia 

Postar um comentário

0 Comentários